Pesquisa

A gestão de desempenho não está funcionando: Os programas não acompanham a evolução das necessidades dos negócios

2015 Talent Management and Rewards Pulse Survey #2 – Destaques dos resultados globais

22 Junho 2016

DESTAQUES

  • 45% dos empregadores afirmam que o processo de gestão de desempenho é eficaz;
  • 43% já implementaram ou planejam implementar novas tecnologias para tornar seu processo mais eficaz;
  • A maioria das empresas afirma que os gerentes e supervisores não possuem as habilidades necessárias (56%) e não têm tempo (51%) para gerenciar o desempenho de forma eficaz.

Não chega a surpreender quando empresas, líderes e empregados afirmam que os programas de gestão de desempenho estão com problemas.

A abordagem que prevalece para fazer a gestão do desempenho – com ciclos anuais de revisão, uma única avaliação ao final do ano e histórico de resultados anteriores – não é mais a melhor fórmula para, de fato, acompanhar a evolução das necessidades dos negócios e a necessidade de reconhecer e recompensar os futuros potenciais.

Apesar das recentes divulgações na mídia sobre empresas que decidiram não utilizar mais os “ratings” de desempenho, poucas organizações os eliminaram de fato. Entretanto, criou-se uma espaço para a modernização de determinadas práticas. Nossa pesquisa revela que 28% das empresas afirmam que considerariam alterar o programa de gestão de desempenho em razão de mudanças no modelo ou estratégia de negócios. E uma porcentagem significativa de empresas está realizando ou planeja realizar modificações graduais.

A maior parte das organizações permanece comprometida com o processo de gestão de desempenho.

Apenas 26% consideram eliminar os “ratings” de desempenho.

Apenas 11% consideram eliminar totalmente o processo de gestão de desempenho.

As empresas que olham para o futuro já tomaram ou planejam tomar medidas graduais para aprimorar seus programas de gestão de desempenho. Por exemplo, cerca de um terço das empresas (31%) já mudaram ou planejam mudar o foco do seu programa de gestão de desempenho para incluir a avaliação dos futuros potenciais e 29% já mudaram ou planejam mudar seus programas para incluir habilidades necessárias para o crescimento do negócio no futuro.

O que será necessário para transformar a gestão de desempenho nas empresas?

É possível tornar a experiência da gestão de desempenho melhor e mais relevante para o negócio por meio do aprimoramento de sua execução, gerando maior eficiência e impacto para o negócio.

As organizações podem melhorar a experiência para seus líderes e empregados, assim como ajudar a reduzir a “intensidade de recursos” necessária ao processo em geral por meio do fortalecimento dos seguintes facilitadores:

Eficácia da gestão.
Líderes eficazes concentram-se no estabelecimento de metas de claras e mensuráveis, na melhoria contínua e no crescimento. Eles orientam os empregados para que alcancem seu potencial pleno. Cabe ao RH assegurar que os líderes tenham as ferramentas e o treinamento necessários para executarem a gestão de desempenho de forma eficaz.

Processo.
Transformar o processo de gestão de desempenho implica em eliminar as avaliações e reuniões anuais, rotineiras e superficiais, passando a buscar manter um diálogo contínuo entre líderes e empregados.

Comunicação e transparência.
Isto inclui: feedback em modelo 360° e entre pares que poderá vir de qualquer lugar a qualquer momento, funcionando como uma referência do desempenho geral.

Mensuração orientada para o futuro.
É essencial para medir a combinação entre desempenho sustentado ao longo do tempo, potencial e criticidade das habilidades para o desempenho futuro do negócio.

Tecnologia.
A tecnologia é um facilitador-chave para cada um dos elementos acima. Se bem utilizada, permite uma experiência mais engajadora, que inclui feedback contínuo. Também fornece ferramentas que ajudam a alinhar a demanda por habilidades futuras com o desenvolvimento individual.

Baixe o relatório completo para detalhes adicionais.

SOBRE A PESQUISA

A 2015 Talent Management and Rewards Pulse Survey #2, sobre gestão de talentos e recompensas, contou com mais de 1000 participantes e foi realizada de setembro a novembro de 2015, em 40 países.