Ir para o conteúdo principal
Postagem no blog

Por que você precisa de uma visão de portfólio do risco baseada em analytics

Risk & Analytics|Corporate Risk Tools and Technology
N/A

Por George Haitsch | Abril 6, 2021

Uma visão de portfólio permite que os gestores de risco naveguem por um cenário complexo e alinhem o gerenciamento de risco com objetivos de negócios mais amplos.

O gerenciamento de risco cibernético se tornou a principal preocupação dos gestores de risco na maioria das empresas, e por um bom motivo. Atualmente, a grande maioria das empresas está exposta a várias ameaças cibernéticas, incluindo violações de dados, malware, interrupção de serviço e assim por diante.

Isso não quer dizer que outros riscos sejam esquecidos. Todas as empresas continuam realizando seus planejamentos em torno dos riscos potenciais de propriedade e responsabilidade (P&C), responsabilidade profissional, erros e omissões e outros que podem impactar os lucros ou mesmo trazer alguma ameaça à empresa. Esses riscos “convencionais” são retidos ou transferidos rotineiramente, mas sem uma análise rigorosa que cada vez mais envolve os riscos cibernéticos.

O ciberespaço costuma ser a maior vulnerabilidade para a economia digital em geral. À medida que os riscos cibernéticos se transformam e novos surgem, é difícil para os profissionais acompanharem. Um exército de hackers está trabalhando constantemente para impedir suas defesas, o que traz implicações para clientes, empregados e acionistas.

As consequências de uma visão isolada dos riscos

Embora a ênfase nos riscos cibernéticos seja compreensível, os gestores de risco precisam ficar de olho em todo o portfólio. A falha em manter uma visão holística do risco tem consequências:

  • Os riscos são efetivamente isolados, privando a empresa de uma visão corporativa ao longo do tempo e em várias geografias.
  • As empresas deixam de colher os benefícios da diversificação do portfólio, como a redução da volatilidade e os benefícios compensatórios encontrados em um portfólio de risco maior.
  • Os gestores de risco terão dificuldade em obter uma compreensão clara dos riscos e seus hedges em termos do custo total do risco e suas consequências financeiras.

Uma abordagem melhor é aplicar uma visão rigorosa de portfólio de riscos que cobre todos os aspectos do seu financiamento. Ele permite que os gestores naveguem por um cenário complexo e planejem o gerenciamento de risco estratégico com base em evidências empíricas e alinhadas com objetivos de negócios mais amplos.

A fundação e os pilares da gestão de risco

Para usar uma ilustração, pense em seu programa de gerenciamento de risco como um templo grego. A base do templo é uma plataforma analítica robusta combinada com experiência profissional para produzir um entendimento compartilhado de sua tolerância ao risco. Isso responde à questão de quanto sua organização pode suportar se atingida por um risco não segurado ou não financiado antes que haja um impacto material em suas principais métricas financeiras, como fluxo de caixa, lucro por ação ou EBITDA.

Nesta base, suas várias categorias de riscos formam as colunas do templo. Incluiríamos riscos cibernéticos, é claro, bem como financiamento ou transferência de risco para conselhos de administração, exposições de P&C, responsabilidade e outros riscos. Cada categoria forma uma coluna em nosso hipotético templo grego.

Uma vez que as colunas estão estabelecidas, um gestor de risco deve tomar decisões sobre cada área que reflita um entendimento comum de que a empresa só pode arcar com uma certa escala de perdas antes que haja um impacto materialmente negativo sobre os lucros. Digamos que seu benchmark de tolerância ao risco seja uma perda agregada de $500 milhões antes de violar seus benchmarks financeiros. Que confiança você tem de que seus riscos agregados - as colunas do templo - foram identificados e medidos com precisão?

‘Connected Risk Intelligence’

Felizmente, nosso templo grego tem um teto sobre todas essas colunas. Denominado como ‘Connected Risk Intelligence’, o teto é a otimização de risco rigorosa que se baseia em big data, tecnologia inovadora e visão profissional. Esta abordagem holística considera todos os riscos, plotando-os em um eixo XY e calculando o limite, ou fronteira eficiente, onde o que você pode estar gastando para mitigar o risco cobre efetivamente todo o seu portfólio de exposições sem incorrer em custos adicionais.

Com uma nova modelagem e técnicas analíticas avançadas, a abordagem de portfólio pode efetivamente cobrir riscos complexos e em evolução (cibernético, por exemplo) e os mais convencionais, como Directors’ and Officers’ (D&O) ou seguro patrimonial. Modelagem e simulação de risco avançadas, incluindo dependência e correlação, ajudam a identificar o desperdício ou excesso de hedge de risco ou a ameaça de lacunas de cobertura que podem não ter surgido em um programa de gerenciamento de risco que dependia mais fortemente de benchmarking.

Lidando com cenários hipotéticos 

Com o benefício da tecnologia de simulação avançada, big data e experiência em otimização de portfólio, a empresa pode estabelecer uma estratégia de risco certa para o negócio, com sua exposição ao risco no nível ideal e pagando o valor justo para se proteger. Quando as circunstâncias mudam, a tecnologia baseada em dados pode ser remodelada em segundos, ajustando as prioridades de forma rápida, simples e eficaz. Essa estratégia baseada em portfólio também permite que a empresa construa um modelo de previsão forte e preciso que possa lidar com cenários hipotéticos conforme os riscos e as prioridades de negócios corporativos mudam.

Embora os gestores de risco tenham usado benchmarking por gerações, a análise de dados dentro de sua empresa e um grupo mais amplo de pares do setor permitem otimizar a posição. Um corretor especializado pode fazer o melhor negócio e colocar a sua organização em uma posição em que os dados e a tecnologia apoiam suas estratégias. 

Além de economizar dinheiro, o mais importante, por ter uma visão holística do risco, permite que um profissional de risco tenha conversas ponderadas e bem informadas com um CFO, tesoureiro, outros líderes seniores e membros do conselho. Essa abordagem também contribui para uma consciência de risco de cima para baixo e uma cultura corporativa que trabalha lado a lado com a análise de dados e o gerenciamento profissional para identificar e evitar riscos de maneira eficiente, ao mesmo tempo em que se obtém um programa de baixo custo.

Autor

Global Client Advocate
Corporate Risk and Broking

Contato no Brasil

Alvaro Trilho
Diretor de Risk&Analytics - Brasil

Soluções Relacionadas

Contact Us